O que resiste, persiste

Por ActionCOACH María Inés Morán/México

Nesta era da Internet e das redes sociais, vem à tona novamente um fenômeno conhecido como Efeito Streisand, seu nome deve-se a uma circunstância relacionada à cantora e atriz americana Barbra Streisand, que em 2003 fez uma reclamação milionária contra o fotógrafo Kenneth Adelman , autor de uma fotografia aérea de sua residência na Califórnia, alegando violação de sua privacidade.

Inicialmente, esta fotografia teria sido tirada para registrar indícios de erosão na costa californiana, mostrando, sem saber quem eram os donos das propriedades, a casa da cantora. O fato é que após o processo e a tentativa de censura da própria Barbara, a imagem se tornou viral e chamou a atenção da mídia.

O que aconteceu com a Barbara? Ela mesma abriu as portas ao mundo para a sua própria intimidade, aquilo que tanto queria evitar, e por causa dessa ação, motivada pelo ódio e pela paranoia, perdeu grandes somas de dinheiro, tempo e energia.

A verdade é que todos podemos sofrer com o Efeito Streisand, pois quanto mais bem sucedidos ou poderosos nos tornamos, mais pensamos que precisamos nos proteger, seja preservando nossa marca, nosso legado ou nossa imagem, portanto é mais fácil reagir e revidar com a raiva, e não com a inteligência e o amor.

A humanidade nos deu um exemplo de grandes líderes que fizeram transformações no mundo com amor e não com ódio. Líderes que, em vez de reagir com ódio aos inimigos, sentiram e pregaram o perdão, compaixão e empatia por eles.

Mas como você pode evitar e não se deixar levar por esses sentimentos negativos ao enfrentar um tweet, um meme, uma conquista de um concorrente ou um boato? Pessoalmente, costumo me questionar e fazer um inventário de todas as coisas que não gosto, também daqueles nomes que me causam rejeição, e me pergunto: “Essa carga negativa me ajudou em alguma coisa? Será que me deixou algo de positivo? E como a resposta é não, paro de dar força a esses pensamentos, e invisto meu tempo e energia no verdadeiramente positivo e começo a ver as coisas com inteligência e não com medo ou ódio.

Agora quero ir mais longe e compartilhar com vocês uma série de práticas que podem ser implementadas para evitar o Efeito Streisand e saber como agir em caso de crise:

  • Monitore mídias e redes. É importante estar atento ao que está sendo dito na mídia e nas Redes Sociais sobre sua marca. Esta informação permitirá que qualquer implicação negativa seja identificada.
  • Avalie o problema. A primeira reação a uma crise de imagem geralmente é exagerar as situações. Na maioria das vezes são situações que podem ser resolvidas se você mantiver a calma, se olhar de uma perspectiva mais ampla, se medir as reais consequências e agir a tempo de corrigi-las, ou simplesmente ignorá-las.
  • Conte com uma equipe de especialistas. Existem consultores especializados para tratar de questões críticas, eles vão avaliar os problemas potenciais, vão te dizer como agir e como evitar que uma crise se espalhe.
  • Aja na hora certa. Você decide, diante de uma crise, ser reativo ou proativo, tudo depende do tempo que você leva para enfrentá-la.
  • Desenvolva um plano de prevenção. Diante de uma eventual crise, você deve ter um plano de prevenção que permita medir os riscos, os diferentes cenários e saber como agir.
  • Mantenha os canais de comunicação abertos com seus clientes. É importante saber o que pensam da sua marca e assim determinar áreas de oportunidade e melhorá-las.

Portanto, lembre-se de que quanto mais você resiste e mais odeia, a crise e o negativo persistirão. Coloque essas linhas em prática e reflita sobre seu estoque de ódio, você decide estagnar, manchar seu legado e se distrair, ou se libertar, crescer e transcender.

linkedin facebook pinterest youtube rss twitter instagram facebook-blank rss-blank linkedin-blank pinterest youtube twitter instagram